Como saber se minha pinta é câncer ou não?

Na maioria dos casos, as pintas são apenas charmosas. O problema é que, às vezes, elas podem se transformar num câncer de pele.

Calma: não precisa sair correndo para arrancar todas as suas pintas, até mesmo porque isso não é a recomendação médica. Existem alguns sinais e sintomas que ajudam a suspeitar se a pinta pode ser algum problema.

Todas as pessoas podem ter pintas, tanto aquelas que já existem desde o nascimento quanto aquelas que vão surgindo durante a vida.

As pintas podem ser planas ou ter relevo e elas, assim como qualquer lesão benigna, podem crescer lentamente ao longo dos anos.

Mas quais são os sinais de alerta? Aqui vai a regra do ABCDE, que é bem simples.

A) Assimetria: lesões benignas tendem a ser simétricas nos eixos vertical e horizontal. Logo, assimetria na lesão é um sinal de alerta.

B) Borda: lesões benignas tem as bordas regulares ao longo de toda a volta da lesão. Então, lesão que tenha bordas irregulares pode ser um problema.

C) Cor: lesões benignas em geral tem uma única cor. Portanto, lesões com mais de uma cor exigem atenção.

D) Diâmetro: lesões acima de 6mm elevam o grau de suspeita sobre elas

E) Evolução: lesões suspeitas são aquelas que mudam de aspecto continuamente por mais de 4 semanas.

Sendo assim, lesões que preencham algum ou alguns dos critérios acima podem ser câncer de pele. Se você tiver alguma lesão desse tipo, não hesite: marque uma consulta. O médico é a pessoa mais indicada para fazer essa diferenciação.

E lembre-se de se olhar em frente ao espelho periodicamente: até mesmo você pode fazer o diagnóstico precoce de lesões suspeitas. E, em oncologia, diagnóstico precoce significa maiores índices de cura.

No próximo post vou falar um pouco mais deste assunto.